sexta-feira, 16 de novembro de 2018

30 dias, 30 passatempos - Passatempo Nº2



30 DIAS, 30 PASSATEMPOS


Passatempo Nº 2


O Natal está quase a chegar e nada melhor do que oferecer prémios aos que seguem os blogs e canal! Este ano vamos ter 30 passatempos até ao natal!

Será um novo passatempo por dia, durante 30 dias!



Os passatempos estarão ativos nos meus dois blogs, Ler y Criticar e Tek Test.


 Muitos passatempos terão regras diferentes para a participação (desde simplesmente preencherem dados, passando por enviar frases ou fotos, por isso leiam bem as regras a cada dia para cada passatempo!



Aproveito desde já para agradecer a todos os que tornaram possíveis estes passatempos!

Vamos oferecer prémios que juntos serão mais de 1800 euros em prémios!

Aproveito também para agradecer a todos os que seguem os meus blogs/canal, que os ajudam a crescer e que participam para que esta iniciativa seja um sucesso todos os anos!





PASSATEMPO  Nº2

Red Dead Redemption 2

versão PS4 




Regras do passatempo:

Todos os passatempos desta iniciativa terminam dia 29 de dezembro

Apenas é permitida uma participação por pessoa em cada passatempo.

É indiferente em que blog participam (Ler y Criticar ou Tek Test)

Se participarem mais do que uma vez, apenas a primeira será contabilizada.

Como participar:

Preencher o formulário em baixo.

Deverão ser fãs ou seguidores dos dois blogs: (Ler y Criticar - Link aqui) e (Tek Test - Link aqui)

Deverão subscrever no Youtube o canal Tek Test (Link aqui)

Se partilharem o passatempo no Facebook, ganham automaticamente uma nova participação no sorteio. Basta irem ao Facebook de um dos blogs, procurarem um post com este passatempo, e partilharem!

Se seguirem a conta de Instagram (Link aqui), ganham automaticamente uma nova participação no sorteio.

Nota: se fizerem todos os passos anteriores, terão mais uma participação de bónus e ficam com 4 participações válidas num passatempo.

Responder no questionário à pergunta: Qual foi a nota data pelo Tek Test a este jogo? (Ver análise aqui)


Boa sorte a todos!




quinta-feira, 15 de novembro de 2018

30 dias, 30 passatempos - Passatempo Nº1



30 DIAS, 30 PASSATEMPOS


Passatempo Nº 1


O Natal está quase a chegar e nada melhor do que oferecer prémios aos que seguem os blogs e canal! Este ano vamos ter 30 passatempos até ao natal!

Será um novo passatempo por dia, durante 30 dias!



Os passatempos estarão ativos nos meus dois blogs, Ler y Criticar e Tek Test.


 Muitos passatempos terão regras diferentes para a participação (desde simplesmente preencherem dados, passando por enviar frases ou fotos, por isso leiam bem as regras a cada dia para cada passatempo!



Aproveito desde já para agradecer a todos os que tornaram possíveis estes passatempos!

Vamos oferecer prémios que juntos serão mais de 1800 euros em prémios!

Aproveito também para agradecer a todos os que seguem os meus blogs/canal, que os ajudam a crescer e que participam para que esta iniciativa seja um sucesso todos os anos!





PASSATEMPO  Nº1

Pack -Yuval Noah Harari



3 livros!

Sapiens
Homo Deus
21 Lições para o Século XXI



Regras do passatempo:

Todos os passatempos desta iniciativa terminam dia 29 de dezembro

Apenas é permitida uma participação por pessoa.

É indiferente em que blog participam (Ler y Criticar ou Tek Test)

Se participarem mais do que uma vez, apenas a primeira será contabilizada.

Como participar:

Preencher o formulário em baixo.

Deverão ser fãs ou seguidores dos dois blogs: (Ler y Criticar - Link aqui) e (Tek Test - Link aqui)

Se subscreverem no Youtube o canal Tek Test (Link aqui), ganham automaticamente uma nova participação no sorteio

Se partilharem o passatempo no Facebook, ganham automaticamente uma nova participação no sorteio. Basta irem ao Facebook de um dos blogs, procurarem um post com este passatempo, e partilharem!

Se seguirem a conta de Instagram (Link aqui), ganham automaticamente uma nova participação no sorteio.

Nota: se fizerem todos os passos anteriores, terão mais uma participação de bónus e ficam com 5 participações válidas num passatempo.

Boa sorte a todos!




terça-feira, 13 de novembro de 2018

ERROS GENIAIS QUE MUDARAM O MUNDO


Autor: Mario Livio




Sinopse: A teoria da evolução mudou para sempre a maneira como pensamos sobre a vida na Terra, mas o majestoso edifício construído por Darwin não foi exatamente uma viagem em linha reta do mito à ciência; funcionou na realidade quase por milagre - entre erros, equívocos e imprecisões - pelo menos até às descobertas de Mendel sobre os mecanismos da herança biológica.
Em Erros Geniais Que Mudaram o Mundo, Mario Livio mergulha na vida de cinco importantes cientistas, descobre como até os grandes génios cometem erros monumentais, e que esses erros são uma parte essencial das suas descobertas



O título deste livro agarrou-me de imediato. Sendo eu uma pessoa em que o percurso académico tem muito de ciências, e estando numa profissão em que o erro é um dos grandes meios para evoluirmos após análise, este é um livro que faz sentido ler. 

A ciência é mesmo isso, errar, analisar, evoluir, voltar a errar, analisar, voltar a evoluir, até acertar. Este livro foca-se em poucos erros, mas que acabaram por evoluir para transformações brutais da ciência e, de seguida, da nossa vida, do nosso mundo.

Apesar de, muito provavelmente, o leitor conhecer estas invenções que mudaram o mundo, também é provável que não conheça os erros que as antecederam. Aqui o autor explora estes erros, porque aconteceram, como evoluíram os seus autores, como as analisaram e que passos deram de seguida. Com isto o leitor não ficará apenas a conhecer estes erros, mas também a forma como poderemos encarar erros que também nós possamos cometer. É assim mais do que um livro sobre os erros de uns cientistas. É também um livro sobre como enfrentar o fracasso, analisá-lo, acreditar e continuar.

E com isto, este livro tem muito mais para ensinar do que pode parecer ao início. Sendo um livro simples, direto e com capacidade de explicar o conceito necessário, o leitor não se sentirá perdido e saberá os impactos, os "porquês" e o que levou a certas descobertas, mas também a certos erros, que em alguns casos são o resultado do errado conhecimento anterior da comunidade cientifica e religiosa.

Este foi um livro que gostei bastante. Diferente, focado numa ideia original e que cativa qualquer pessoa que goste de ciências. Se o livro vos pareceu apelativo, então de certeza que irão gostar destas páginas.

Luís Pinto


segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Passatempo: Hama SoundCup S - Vencedor!


PASSATEMPO

Hama SoundCup S

Vencedor!




Chegou ao fim mais um passatempo, em parceria com a Hama, à qual agradeço imenso a possibilidade de vos oferecer esta coluna de som portátil.

A todos os que participaram, o meu muito obrigado!


Fiquem ainda atentos, porque vamos ter 30 passatempos até ao natal!


E o vencedor é: 

Gonçalo Fresno Correia


Parabéns ao vencedor!





O RAPAZ À PORTA


Autor: Alex Dahl

Título original: The boy at the door




Sinopse: Cecilia Wilborg tem a vida perfeita: um marido atraente, duas bonitas filhas e uma grande casa em Sandefjord, uma cidade que parece tirada de um bilhete-postal. Ela esforça-se para manter tudo como está, pois um erro do passado pode destruir-lhe o presente.
Annika Lucasson vive uma vida sombria com o namorado abusivo e traficante de drogas. Já perdeu tudo muitas vezes e agora tem uma última oportunidade de se salvar, graças a Cecilia. Mas, Annika conhece o seu segredo e o que Cecilia está disposta a fazer para que tudo acabe.
Então aparece Tobias, um rapaz de oito anos, sozinho e sem amigos. Mas que ameaça fazer desmoronar o mundo de Cecilia.


Este tem sido um livro bastante falado nos últimos tempos, até porque toca em assuntos bastante atuais e que têm trazido alguma discussão e controvérsia. Não irei revelar nada aqui, mas posso garantir que o livro me levou por um caminho que não esperava.

A base do livro é carregada de suspense, deixando várias questões no ar sem resposta. Esta estratégia, cada vez mais usada, nem sempre é bem conseguida e aqui a autora acaba por forçar um pouco a forma como deixa o leitor às escuras. No entanto, é isso que nos faz continuar. Aos poucos a história começa a revelar-se, mas sempre com novas perguntas criadas pelas respostas anteriores. E é nessa montanha russa que fui avançando, enquanto o livro me surpreendia como alguns cruzar de caminhos narrativos que não esperava.

Com personagens bem construídas e cheias de segredos, o livro consegue ser inteligente e viciante, apesar de em alguns momentos parecer claramente forçado a seguir um caminho, o que leva o leitor a achar que a personagem claramente não teve uma decisão minimamente suportada pelo que já lemos. Contudo, no fim tudo acaba por fazer sentido, apesar de algumas coisas não serem muito exploradas. Esta é uma história bastante original, que toca em temas controversos e atuais. Não é um policial perfeito, mas é viciante e angustiante, principalmente graças à personagens Tobias, que faz a diferença neste livro, mesmo nos momentos em que não está presente. Olhando de forma crítica para o livor, esta é uma obra que tem tudo para ser um sucesso. Toca em temas controversos mas que são atuais e do dia a dia. É fácil criarmos ligações com algumas personagens e no fim é claro que a leitura foi viciante. Se gostam do género e se a sinopse vos agradou, então é um livro a ler.

Luís Pinto


sexta-feira, 9 de novembro de 2018

OS IRMÃOS KARAMÁZOV


Autor: Fiódor Dostoiévski



Sinopse: Os Irmãos Karamázov foi um dos últimos livros escritos por Dostoiévski e é uma das suas obras primas. Considerado por muitos um romance filosófico, nesta apaixonante história o autor explora as questões existenciais da fé religiosa e da dúvida, do livre-arbítrio e da moralidade.
Com a família Karamázov, através dos seus dramas, mistérios e triângulos amorosos, Dostoiévski retrata a Rússia do século XIX naquela que foi a idade de ouro e um ponto de viragem trágico na cultura russa.



Este não é um livro para todos os leitores. Começo com este facto, porque realmente não é um livro para todos. Este é um livro lento, duro, angustiante, grande, memorável, capaz até de alterar a nossa forma de ver a literatura enquanto obra de arte. Considerado como um dos melhores livros de sempre, a sua leitura é, ao mesmo tempo, um esforço e um prazer.

Tentar falar sobre este livro não é fácil. São poucos, muito poucos, os livros que exploram a mente humana como esta obra. Numa fase inicial percebemos que a história é sobre os Karamázov onde suspense, mistério e romance estão ligados de forma suave, por vezes quase dissimulada, mas capaz de explorar as personagens enquanto desenvolve a história. É, tal como se espera, um livro lento, detalhado, focado nos detalhes que mais tarde se tornam importantes na construção da personagem, pois cada momento é um momento de aprendizagem, de definição de personalidade, com peso, com impacto no futuro.

E, aos poucos, torna-se em algo mais do que uma história sobre uma família. É uma viagem ao que nós somos. É um aprofundar ao que é a sociedade, ao que somos, como vivemos, o que pensamos. Mas é ainda mais... é uma luta pela constante procura de significado, de razão para viver ou morrer. É o constante questionar, mesmo que indireto, do que somos, para onde vamos, o que existe para além de nós. Porque estamos aqui? Porque morremos, porque decidimos, porque nem sempre fazemos o que é melhor para nós e também para todos? Porque é que a ganância, a inveja e a vingança são tão apelativas... E no fim percebemos, que este livro, esta obra prima, este livro intemporal, não é sobre os Karamázov... é sobre nós.

Luís Pinto


quinta-feira, 8 de novembro de 2018

OS DEZ ESPELHOS DE BENJAMIN ZARCO


Autor: Richard Zimler



Sinopse: Benjamin Zarco e o seu primo Shelly foram os únicos membros da família a escapar ao Holocausto. Cada um à sua maneira, ambos carregam o fardo de ter sobrevivido a todos os outros. Benjamin recusa-se a falar do passado, procurando as respostas na cabala, que estuda com avidez, em busca daquilo a que chama os fios invisíveis que tudo ligam. E Shelly refugia-se numa hipersexualidade, seu único subterfúgio para calar os fantasmas que o atormentam.
Construído como um mosaico e dividido em seis peças, Os dez espelhos de Benjamin Zarco entretecem-se entre 1944, com a história de Ewa Armbruster, professora de piano cristã que arrisca a vida para esconder Benni em sua casa, e 2018, com o testemunho do filho de Benjamin acerca do manuscrito de Berequias Zarco, herança do pai, talvez a chave para compreender a razão por que Benjamin e Shelly se salvaram e o vínculo único que os une.



Richard Zimler é um autor que aprecio imenso e, sempre que lança um livro, tento ler de imediato. Zimler tem uma capacidade rara de me ligar às personagens, com momentos emotivos, decisões impossíveis e questões morais que alimentam o livro e o seu avanço. Aqui, Zimler volta a surpreender com uma história que se prolonga por vários anos e que aprofunda brutalmente algumas personagens, com uma sensibilidade fantástica e que ficará para sempre na nossa memória.

Gostei bastante das personagens, profundas, muito diversificadas, principalmente no enorme contraste entre Benjamin e Shelly na forma como vivem, como se ligam a pessoas, como planeiam o futuro e como questionam a religião. São camadas e camadas de personalidade que vamos desvendando, como se fosse uma investigação sobre as personagens.

Com uma escrita, por vezes simples, por vezes complexa, mas sempre ideal para o momento em si, Zimler agarra o leitor com as suas personagens, com as suas decisões e, principalmente, pela forma como estruturou a narrativa. Vamos conhecendo estas personagens aos poucos enquanto fazemos as ligações que nos são dadas. É quase como um puzzle em que vamos conhecendo os medos, os objetivos, os traumas das personagens. Quais são os seus sonhos? Com um passado terrível, o Holocausto está sempre agarrado a estas personagens, e aos poucos este livro torna-se numa história de amizade, de procura por significado mas também pelo o que fazer na vida, o que procurar, o que tentar alcançar. É uma história sobre o quando o nosso passado nos muda, sempre presente, capaz de nos empurrar por caminhos diferentes mesmo muitos anos depois.

Este pode não ser o melhor livro de Zimler, mas uma coisa é certa: a qualidade está aqui presente numa história emocional, quase perturbadora, mas que é uma imagem realista e que deve ser observada. Se o tema vos interessa, então este é um livro a ter neste natal, e que vos fará olhar de forma diferente para a vida que se segue mas, principalmente, para o passado.

Luís Pinto


terça-feira, 6 de novembro de 2018

Passatempo: Erros geniais que mudaram o Mundo - Vencedor



PASSATEMPO 

Erros geniais que mudaram o Mundo

Vencedor!



Chegou ao fim mais um passatempo e, como sempre, tenho de agradecer à Marcador por me possibilitar estar oferta. Foi um passatempo bastante concorrido a um livro sobre o qual falarei nos próximos tempo.

A todos os que participaram e tornaram o passatempo num sucesso, o meu muito obrigado. Aos que não ganharam, desejo-vos melhor sorte para a próxima!

Fiquem atentos, que haverá mais passatempos nos próximos dias!

E o vencedor é:

Natacha Redol

Parabéns à vencedora!


Sinopse: A teoria da evolução mudou para sempre a maneira como pensamos sobre a vida na Terra, mas o majestoso edifício construído por Darwin não foi exatamente uma viagem em linha reta do mito à ciência; funcionou na realidade quase por milagre - entre erros, equívocos e imprecisões - pelo menos até às descobertas de Mendel sobre os mecanismos da herança biológica. A cometer erros, no entanto, Darwin estava em ótima companhia. Lorde Kelvin, um dos maiores cientistas da segunda metade do século XIX, argumentou perentoriamente que a Terra não poderia ter mais do que alguns milhões de anos; Linus Pauling, fundador da biologia molecular e duas vezes vencedor do Prémio Nobel, propôs um modelo completamente errado de ADN porque temia ser atacado pelos colegas; o astrofísico Fred Hoyle batizou o «Big Bang» sarcasticamente porque não acreditava que a explosão tivesse dado origem ao Universo (mas era ele que estava errado). O próprio Einstein queria elaborar uma teoria geral das forças da natureza sem ter em conta a mecânica quântica, simplesmente porque nunca a tinha estudado. «Um homem de génio não comete erros. Os seus erros são voluntários e são portais de descoberta», disse o Ulysses de Joyce e é o que nos recorda Mario Livio neste novo ensaio; uma viagem ao coração do pensamento científico através dos deslizes de cinco mentes sublimes induzidas em erro pela vaidade, ambição ou excessiva autoconfiança.


segunda-feira, 5 de novembro de 2018

A PRAÇA E A TORRE


Autor: Niall Ferguson

Título original: The Square and the Tower: Networks and Power, from the Freemasons to Facebook




Sinopse: E se tudo o que julgávamos saber sobre a história estivesse errado? Niall Ferguson propõe-nos uma nova forma de olhar o mundo: reformulando cada um dos períodos transformadores da história mundial, incluindo aquele em que vivemos, evidencia a existência de um confronto intemporal entre as hierarquias do poder e as redes sociais. 
Grande parte da história é hierárquica: trata de papas, imperadores, presidentes, primeiros-ministros e generais. Fala-nos de Estados, exércitos e corporações. É sobre as ordens vindas de cima. Mesmo a história «da base» costuma centrar-se em sindicatos e partidos de trabalhadores. Mas e se isso acontecer simplesmente porque são as hierarquias que criam os arquivos históricos? E se estiverem a escapar-nos redes sociais igualmente poderosas mas menos visíveis, porque menos documentadas, mas que são as verdadeiras fontes de poder e os motores da mudança?


Niall Ferguson é um dos historiadores mais polémicos do nosso tempo, sempre capaz de nos mostrar a História com outros olhos, outros pontos de vista, por vezes polémicos e que tentam oferecer um olhar diferente sobre grandes momentos da nossa História mas também sob um olhar mais macro, onde algumas ideias enraizadas ganham aqui outros significados.

Muito do que Ferguson tem feito nos últimos anos é tentar quebrar certas ideias que damos como certa na nossa História mas que na realidade não são bem assim. Sempre com grande trabalho de investigação como base e um conhecimento imenso, este escritor leva-nos por caminhos que antes nunca tinham sido explorados, e com isso veio todo o reconhecimento que lhe é dado.

Gostei bastante da estrutura do livro, claramente focado em abordar os temas de forma muito particular e dando sempre o contexto necessário para que o leitor perceba algumas conclusões ou teorias. Tal é bastante importante porque de outra forma o leitor poderia ficar perante acontecimentos históricos que desconheça ou sobre os quais não domine os reais efeitos que tiveram. Com atenção a essa possibilidade o autor oferece sempre o contexto necessário, mesmo que suave, para o leitor não perder o fundamental. Com isto, percebe-se, principalmente, os efeitos que tais momentos tiveram tanto numa geografia mais localizada, mas também a um nível mais macro. É uma montanha russa constante de questionar o que é dado por adquirido, e para isso o autor foca-se no poder de alguns grupos, quer sejam sociedades secretas ou instituições conhecidas de todos, explorando influências, objetivos, manipulações e, obviamente, a sua capacidade para escrever a História antiga à sua maneira, pois apenas pessoas de poder poderiam fazê-lo.

Este é um livro polémico, capaz de nos dar uma visão nova sobre muitos aspetos da nossa sociedade. São páginas que levam o leitor a questionar e deve fazê-lo, não só em relação ao que já sabia, mas também em relação ao que lê aqui. Um livro muito interessante e que agradará aos que lerem a sinopse e ficarem curiosos.

Luís Pinto